História

História

História

Em 2013 a Jervis Pereira e a Sociedade do Campo Pequeno associaram-se num projeto conjunto e inovador, que designaram por “Feira das Viagens”.

A ideia foi desafiar os Lisboetas para uma experiência de compra e venda de viagens, num formato simples, de concorrência aberta e transparente, que ao mesmo tempo facilitasse um aconselhamento personalizado por parte dos destinos turísticos e dos próprios agentes. Para complementar a oferta turística o evento foi animado com degustações gastronómicas, passatempos, filmes e apontamentos culturais de ordem diversa.

O Campo Pequeno foi estrategicamente escolhido para receber o evento de estreia, não só devido à sua localização geográfica no centro de Lisboa, mas principalmente porque a visita ao espaço já representa por si só uma experiência turística digna de registo.

O êxito da iniciativa, logo na primeira edição, estimulou os organizadores a alargarem o conceito às cidades do Porto e de Coimbra. Em 2014 a Feira das Viagens passou a acontecer também no famoso Palácio da Bolsa, no Porto, e em 2015, no Pavilhão Centro de Portugal, um outro edifício emblemático, do arquiteto Siza Vieira, em Coimbra.

Consolidado o formato e fidelizados clientes e expositores, em 2018 a Feira das Viagens ruma pela primeira vez a Braga, dando oportunidade à população local de aceder a um modelo de compra e venda de viagens que tem vingado noutras cidades. O Museu de Arqueologia D. Diogo De Sousa foi o espaço escolhido para a primeira edição Bracarense, por obedecer aos critérios de centralidade e valor histórico que estão na base do posicionamento do certame.

Também em Lisboa, em 2018 a Feira das Viagens, inicia uma nova Era, com a deslocação do espaço do Campo Pequeno para a Sociedade Nacional de Belas Artes, numa iniciativa que conjuga 3 experiências distintas: compra e venda de viagens, exposição de artes plásticas e visita a um dos edifícios mais emblemáticos do Estado Novo, localizado na zona nobre da capital, mesmo junto à Avenida da Liberdade e em frente à Cinemateca Portuguesa.

Estas apostas para 2018 constituem um reforço de posicionamento pioneiro e contribuem para captar novos públicos.